Pesquisar neste blog

No mundo

abril 28, 2011

Reticências...


O verdadeiro poeta é aquele que consegue dinamizar pequenos acontecimentos, dar vida à situações que para outros talvez fossem irrelevantes.
***
Até para ser livre temos o costume ou instinto de nos tornar mesquinhos e egoístas, mas o importante é captar isso e transformar em necessidade de compartilhar!
***
Não sou adepta do positivismo, até como boa capricorniana tenho lá o meu lado pessimista, mas com o tempo você vai aprendendo que valorizar a vida e até o ar que respiramos é fundamental, é supremo e sublime! Eu tenho 35 anos e agradeço à cada dia que fico mais velha. Porque não morri cedo, porque tenho saúde, porque meus filhos estão bem, porque tenho uma casa, um trabalho e não sou analfabeta... rsrsrsrs
***
O que é a mentira perto de tantas outras verdades que estão patentes aos nossos olhos e não queremos enxergar?
***
A saudade é a prova "concreta" de que algo diferente sentimos por alguém. Seja amor, ternura, amizade, paixão, entre tantos outros sentimentos.
Esta história de que “eu era feliz e não sabia” não existe. Quando somos felizes sabemos que estamos sendo...
***
As pessoas deveriam entender que criamos os filhos para o mundo em que vivemos. Eles são herança de Deus nas nossas vidas e enquanto aqui estivermos e eles sob nossa guarda, devemos cuidar deles e instruí-los. O que acontece é mais uma de nossas pequenas "mazelinhas egoísticas próprias de seres humanos": tenho três filhos e cumprirei a minha missão até que possam caminhar com as próprias pernas . Às vezes as pessoas não entendem e acabam idolatrando demais os filhos e deixando sua companheira (o) em segundo plano. Sou a favor do equilíbrio, pois depois que os filhos se vão, é hora de curtir novamente e de outras formas o seu casamento e o que construíram juntos. E se essa união não for sólida e você tiver depositado o melhor de você apenas nos seus filhos, não pense que eles deixarão de ter a vida deles por sua causa. É a ordem natural das coisas...
(Será que estou sendo egoísta mais uma vez...?)
***

Sou suspeita porque me considero uma pessoa extremamente otimista em relação ao nosso país. Problemas existem mesmo..e que problemas! E longe de mim querer suavizá-los ou botar "panos quentes", mas a verdade é que nós nunca estamos e estaremos satisfeitos com nada, isso é uma realidade e ponto. Nós reclamamos mas somos os primeiros a votar errado.
Reclamamos e não temos mais uma política revolucionária, não vamos mais às ruas, nos acomodamos e acomodamos também nossos pensamentos e opiniões formadas.
Melhor é falarmos ou escrevermos sobre, mas dentro do nosso condicionamento cultural estamos mal educados, não nos posicionamos fortemente, nos habituamos em apenas assistir ou ler o noticiário e reclamar, meter o pau e etc.
E de certa forma essa "falta de educação civil" tem contaminados nossos jovens, que tão cedo já assim se posicionam também.
Não conheço ninguém que hoje incentive seus filhos a lutarem por seus direitos e deveres dos governantes. muito pelo contrário, eu mesma sou uma que poupo meus filhos de toda essa parafernália demagógica ambulante que é o nosso sistema..


Ciranda-Amor


"O amor é vital, imortal, essencial
Como desistir do abstrato que nos alimenta?
O bem maior à alma sedenta
O motivo melhor em prosseguir
O sentimento que acalenta...

Desistir é como secar, materializar-se
Deixar de se encontrar, assumir um disfarce
E parar de amar nem se morrer
Pois não há um que não diga
Que amamos até depois de viver..."


Para o texto: Jamais Desistir do Amor - Ciranda Aberta Para Todos - Prazo 15.05.2011 (T2934794)
De: Ana Stoppa




Vida

Vida é como livro, suas páginas e capítulos
Talvez como poesia, suas métricas e versos
Quem sabe cores, com suas nuances e matizes
Ou bela como as flores, que encantam e suavizam

Talvez seja amor, seus prazeres e suas dores
Ou estrelas de firmamento, em universo de cor e resplendor
Vida é dom, é única e curta
É questionável,fonte inigualável que luta
Contra tudo que lhe é absoluta...

Quisera eu ser lápis, escrever meus próprios versos
Desenhar minhas alegrias
Decidir destino e resto
Mas sei que sou livro...
Minhas páginas em aberto
À espera do Grande Escritor
Que com sabedoria o faz decerto...

E não é deserto!
É oásis e manancial
Mesmo em capítulos sombrios, Sua habilidade é magistral
Faz de mim um best-seller, ou mesmo livro de sebo,
Esquecido à espera de comprador,
Mas o que importa é todo o valor
Que Suas rimas trazem com louvor
E dão vida às minhas páginas
Aguçando o nobre leitor...


Para o texto: Paginas da vida - (Ciranda aberta a todos e será encerrada dia 07/05 (T2934643)

De: Ricardo Vichinsky

abril 26, 2011


Cotidiano sem ti, só me resta a saudade...

"Já retornei à minha silenciosa casinha onde tudo me sorri...
Continuo trabalhando, matando assim o tédio desta terra insípida...
Acuso minhas missivas serem as mais tristes de hoje e sempre...
Cartas para mim mesma, já que não posso enviar-te...

A malha graúda que me veste parece até pano de saco...
O luar tem sido belíssimo e o jardim bem concorrido...
O sol tem ardido minha face,
assim como calor ameno que tanto me agrada...
Mas nada me faz alegre quando sei que não estás comigo...

Intenso é meu prazer em sentir-te
E o tempo destrói o que de fato existe,
Esta saudade que corrói e insiste...
Só sanada no instante em que seu corpo me reside...

E em momento unânime o prazer sem recompensas
Apenas desejos satisfeitos no simples gesto intenso...
Nossa paga, nosso sacrifício, nossa maior sentença
Cumprindo essa vontade, nunca suave, sempre densa..."

abril 20, 2011



Esse amor que eu inventei...

O meu amor é ciumento
mas finge que não é...
É livre, especuloso, metido
alegre, nonsense, indefinido
É breve, é bravo

tem brevê para voo
É inatingível e quente
e residente de mim...

O meu amor é fingido, bem sentido
tem título de nobreza
Mas diante dele me sinto indefesa
Tem cara-de-pau, tem alegria
simetria, sincronia, também agonia...

O meu amor é escancarado, mal educado!
Dito na cara, desregrado
É doce, transeunte, esporádico,
É saboroso, dominante e sádico...

Ah! Esse amor que eu inventei de existir...!

abril 13, 2011


Paixão sintomática

Saudade extrema
vontade obscena
Sedução intensa
razão propensa
Apostasia da sanidade
luxúria e vaidade
Pecados que inundam
corpos que se circundam
Dossiê da paixão
testamento de ilusão
Chama fugaz
lascívia que satisfaz
Quero sentir tudo isso
compromisso de estar com você
Que precisa do meu corpo para viver
e eu de ti, dos teus sentidos
da tua pele, corpo, pensamento
Clausura é ficar sem seu sentimento
E o vício que inflama nossa carne
reclama e se abate com essa vontade
de unir nosso lábios,novo presságio...
de virtuosa paixão
preciosa comunhão...


Para o texto: SINTOMAS DA PAIXÃO (Ciranda aberta a todos) (T2900559)

A poesia


A poesia

"Poesia é como a vida, belo dom, gosto pela imortalidade
Poesia é intrépida e impávida, ora sentimental e simplesmente frágil
Poesia é nobreza, clareza de sentimentos, ainda que ao vento
Se não sabes como exteriorizá-los, apenas escreva! E sejas poeta...
É como o fôlego de vida que à cada manhã agradece
Por mais um dia consumado, pela existência suprema, sublime viver...
Poesia é fragmento de nosso próprio ser, é um mero projeto: vencer!
Nossos próprios desafios, nossa psiqué e alma que teimam em transparecer..."



Para o texto: Essa tal poesia -Ciranda aberta a todos (T2895575)
De: Ricardo Vichinsky

DUETO-Tormenta de Prazer




* ESTROFES MARCADAS-Ricardo Vichinsky

Tormenta de Prazer


Mulher bonita *
Como o vento através da carne
Deixando as marcas em mim
Guia-me nas ilusões do luar
Me consumindo com esse sol

Investiga meu corpo
Escreve-me com sua boca
Alicia-me com furor
E como num furacão de amor
Delicia-me com sua tormenta
De desejo e fome de mim...

Incontrolável te percorro*
Inflamando veias e lagos
Vento que percorre vales
Descobre fendas e encantos

Instiga-me cada vez mais
Troveja em mim com seus urros de prazer
Relampeja teu olhar sobre meu corpo que treme
E num frenesi de gozo que chove em clímax
Incinera todo esse teu despudorado fogo

Agonia na morte da fome, o divino*
Que nos consome e se torna pó
Apagando os rastros do paraiso
Nos deliciando com o efêmero mito

Mas você é meu homem e não nego
Que entre efêmero e infinito continua a chama
Acesa, latejante e exaustivamente possante
Te espero entre a tormenta e o desejo pulsante
Em querer-te por toda a natureza que nos inflama...

A solidão me busca

Sinto-a chegando...
paulatinamente,
inaudível,
disfarçada de quietude,
maquiada em tons de nude,
fantasiada de serenidade

Mas eu já a conheço
sei que ela é inteligente
quer me trazer embaraço
em sentir falta de abraço
de zelo, carinho e espaço...

No entanto já aprendi a lidar com ela
e suas derivadas mazelas
Descarrego meu inconsciente
no que é cotidiano para mim
Atento para o dia a dia que segue
e não ao caos que me persegue

Vislumbro meu próprio bem querer
minha temperança que teima em permanecer,
autoestima contrabalanceada,
caixa de Pandora bombardeada,fechada
que não sucumbe em assim se manter...

Busca de válvulas e flagelos sentimentais
Não me satisfazem mais...
Encontro da solidão e minha própria percepção
De que ela vem e se aconchega,
busca um pranto, fica ofegante
Mas acaba perdendo o encanto
E sai por porta afora
sem demora...
Mas não hoje e nesta hora...

Esta noite eu a quero comigo...


abril 09, 2011


Impregnada

De ondas impestuosas que me invadem e pecam em manter-me sólida
Tal como rocha banhada pelas mesmas que insistem em derrubar-me
Fruto de sonhos desfeitos e sons de tristeza propagados por amores naufragados
Um egoísmo hedonista de ansiar por felicidade momentânea e prazerosa
E viver dia após dia meu próprio destino hipócrita que finge não querer o que de fato minha alma anseia...
Você...
Impregnada e vilipendiada do amor que sempre quis e não posso vivê-lo
Ou talvez não consiga mais...
Meus próprios esforços que lutam pela liberdade e cessam ao perceber que estão presos em cadafalsos ou enterrados em sepulcros caiados que eu mesma construí para mim...
Talvez tenham perdido a esperança e estejam agora buscando uma zona de conforto na qual sintam-se à vontade
Em não tentar mais remover toda essa tua carne e lascívia que estão impregnadas em mim,
Pois quando me vejo em teus braços e em teu olhar percebo o quão fraca sou e desejo ser, porque teu amor me anima
E tua alegria enche meu peito de esperança em ser um dia totalmente tua...

abril 06, 2011

Para onde eu vou?



Para dentro dos meus mais profundos desejos
e sentimentos pouco hostis...
Vou buscar-me há quinze anos atrás, talvez vinte

Onde meu sonho de amar era belo e genuíno
Onde minha ingenuidade era grande e serena
e minha razão distante e pequena...

Quando tudo parecia tão promissor nas questões do amor
E tão permissivo nas latências passivas
Quando sonhava acordada em meio à histórias
por mim e para nós elaboradas...

Que eu seria uma diva mais que perfeita
Seria uma musa eterna, longe de prantos
ausente de desencantos...

Assim como o meu amor, que era minha melhor sensação
Explosão de alegria, erupção de vulcão
Onde a lava ardia, mas não queimava meu coração

E assim prosseguia, passo a passo nessa ilusão
De amor de poetisa, platônico e em exaustão
Uma epifania de sentidos lúdicos e hoje lúgubres...

Uma calma monótona e tediosa de quem busca um idílio
E que não vê luz forte, apenas indícios,
Falsas verdades e pouco interesse
Em voltar a acreditar no que de fato existe
mas sei que à mim talvez não pertença...

Conselhos de Amantes


Não tenhas medo de amar
Não te aflijas com a minha liberdade
e meu querer em dominar-te
Não fuja dos riscos
mas saiba livrar-te deles sutilmente
e me manter cativa
simultaneamente
Domine teus desejos
assim como teus ciúmes
Deixe a saudade para um momento oportuno
Sejas livre e ausente de quaisquer dilemas
Não questione, não oprima, saibas conduzir
o que de fato tu sabes que fazes bem
E guarde teus carinhos
para os dias mais quentes
as noites mais tórridas
e o meu desejo em querer te agradar
sem pronunciarmos muitas palavras
ou talvez falarmos muito,
apenas safadezas e bobagens...

E quando sentires que as coisas estão tomando
rumo perigoso...
Apenas me deixe aqui quieta em meu canto
Pouco fale, nem me dê muita atenção,
mas não me tire do teu pensamento
e da ânsia em possuir-me,
ainda que em teus pensamentos
ou quem sabe sonhos inconscientes...

E toda vez que eu te fizer sentir homem desejado
Todas as vezes que eu te exaltar em versos
mais profundos e líricos
de toda inspiração que tu me trazes
E sempre que eu quiser te oferecer amor com muita possessão e saudade
E muito tesão e libertinagem,
Apenas respeite este momento nosso, talvez mais meu do que teu
Porque não é querendo te provar nada, muito menos a mim mesma
É apenas saudade e vontade de te ter como meu, ainda que por breves momentos...
E vontade de ser-te inteira, talvez quem sabe
Numa falsa realidade que eu mesma criei para nós...

abril 03, 2011

Beije-me sempre...




Como água que flui em rios secos
É assim que teu beijo me invade
Seca-me a garganta, deixando-me com sede de ti
Teu beijo meigo e vibrante, olhar inebriante
Teu corpo pulsante, tocado ao meu
Como lábios que se unem
Beijos incandescentes, invasores
Pouco domesticados, propulsores
Do amor que vem em seguida
Ao som de música cantada em meu ouvido...

Ah! Amor meu, doce amor,
Que incinera minha razão
Nutre-me com a tua ousadia
Intrepidez de menino levado
Continua me beijando assim
Conduze-me ao clímax do prazer sem fim
Encoraja-me a ser somente eu, livre de razão
E respirando emoção...

Estamos aprendendo a nos amar
Entre nós ainda há muitos segredos
Muitos beijos não consumados
Quero estar sincronizada contigo
Fazer suas vontades e ser seu abrigo

Quero te beijar intensamente
Sentir a saudade mais doce
Ansiando por ver-te novamente
Mesmo sendo inconsequentes
Nosso silêncio que transcende
Em pensamentos que coincidem
Como os lábios que me beijam...


AMOR...


Amor...

Nasceu de conversa inusitada
lugar inapropriado
Nasceu de anos a fio estéreis
pouco prováveis
Um sabor doce e louvável
aroma de libido, proibido
Olfato aguçado, cheiro extasiante
corpos ofegantes de amantes
Doçura e suavidade, brevidade
olhares de saudade, tentação
E por que não paixão?

Porque se pudesse escolher
querer-lhe-ia para sempre
Estaria sempre presente
ausente de despedida
Do meu coração não haveria partida
seria para sempre...
Esse desejo aquecido
encanto estabelecido
Flâmula de bem querer, sedução
atração,ardor, bom olor
Enfim, todo o meu amor...



Para o texto: O NASCIMENTO DE UM AMOR (Ciranda aberta a todos) (T2873553)
De: Jeronimo Madureira

Conheci meu amigo Jerônimo Madureira!

Quinta-feira passada, dia 31 de março, finalmente conheci meu amigo do Recanto das Letras, o poeta Jerônimo Madureira. Ele é o prefaciador do meu livro, comentarista, assessor de assuntos aleatórios(rsrs) e minha "voz oficial".

Foi em uma festinha de aniversário do sobrinho dele e acabei conhecendo toda a família. Durante o pouco tempo que permaneci por lá(cerca de uma hora e meia) pude observar certas coisas: Que ele é autêntico em tudo o que escreve, um cara super antenado, inteligente, simpático e não tão alto como eu imaginava...rsrsrs

Já ele me achou "baixinha"...E olha que eu estava de salto, hein! Mas enfim, fica aqui registrado meu prazer em conhecê-lo pessoalmente. Mil bjos, Je! Te adoro!

abril 01, 2011

Não chega a ser...


Não chega a ser uma luta,
mas desatina minha paz
Não chega a ser desespero,
mas perturba meu juízo
Não chega a ser amor,
Mas invade meus pensamentos
Não chega a ser ciúme,
mas me incomoda ao extremo
Não chega a ser saudade,
Mas permeia meus sentido
s
Não chega a ser orgulho,
mas mexe com meu brio
Não chega a ser paixão
mas altera meu ciclo
e cio...

Pensamentos...


Sei ser grata a todos que passam pela minha vida, mesmo que façam um estrago, mas procuro tirar experiências boas ou no mínimo que me façam amadurecer.
****
A vida é muito curta para criarmos atalhos desnecessários.
****
O oceano bravio, as ondas carregadas de algas que aparentavam um mar sujo e com cheiro forte, além do deserto da praia , dos quiosques fechados e do vento gelado e insistente... Ah! Nada conseguiu apagar o céu azul que só eu pude contemplar na manhã de hoje...
****

Não é porque ele morreu, mas minha admiração por esse homem foi uma constante desde que o descobri. E assim como José Alencar, existem mais dois homens transformadores e construidores de pontes e estradas e que nos levam a alguns caminhos chamado superação, empreendedorismo, dedicação e integridade: Antonio Ermírio de Moraes e Sílvio Santos.

****

CAVALO DE BATALHA-Poetrix

Tempestade...
Um copo d'água!
Sede de luta...