Pesquisar neste blog

No mundo

novembro 22, 2011

Quando...



"É quando me sinto frágil que forte sou

É quando te sinto ávido que cresço mais em paixão

É quando te sinto longe que aumento em dor

É quando eu vejo a luz, que percebo quão escura estou


Em desatinos e solidão busco a felicidade

onde a tristeza me encontra...

E entre versos , palavras e pensamentos

Advogo por mim, em prol da liberdade do corpo

e do eco distante de palavras ao vento...


Extremo Escorpiano (Tautograma)



"Extremo escorpiano, extrema paixão

Esconso, escorchado, escolhido

Escopo de cupido

Escol da paixão, esconderijo

Encoleirado, colerizado

Entre escombros escorado

Escorpião esfaimado"








...Eu sabia...

Hoje acordei cedo e acabei lendo algo que me deixou comovida...Não pela beleza das palavras ou pela dor que ela representava, mas talvez por ter agora a certeza que eu decifrei o enigma. Enigma de um suposto amor, enigma do dom que algumas pessoas tem de entrarem em nossas vidas de uma forma singela,humorada e até bem intencionada, mas que quando saem deixam um enorme vazio, um rombo, eu diria! E marcas que custam a cicatrizar por completo...

E você vai analisando toda uma nova situação que esta pessoa criou para si e outrem, mas você tem certeza: "Eu já vivi isso, comigo também foi assim, os mesmos passos, as mesmas poses, os mesmos risos, as mesmas situações, os mesmos fracassos..."Que chegam devagarzinho...E lentamente vão se apossando da sua rotina que até então estava tão perfeita!...

Entenda! O problema não é seu! As pessoas que se dizem autossuficientes no fundo são as mais carentes e custam a entender e a aprenderem que a suficiência vem de Deus...E mais ninguém!

Esqueça! Você vai aprender que tem certos e supostos amores que na verdade são egoísmos e só servem para satisfazerem as necessidades de quem na verdade você pensa que te ama...E posso até afirmar que ele tenta! Mas não consegue, por que ele ama tanto a si mesmo que o carinho, amizade, atenção e amor que ele te oferece E proporciona no início vai tomando uma outra forma inversamente proporcional. E você fica tentando entender, chora, se cala, dói o peito, faz de tudo para não irritá-lo. E você desenvolve uma dependência tão forte e "grosseira" que no fim você sucumbe, porque seu ego e sua própria personalidade se revoltam contra isso. E aí você grita! Com todas as suas forças!

Vomita, chuta o pau da barraca, sofre, cala, dá um tempo, tranca-se, alívio, dor, mas paz...Saudade, mas paz...Lágrimas, mas paz...Vento forte, mas paz...

...Pessoas com prazo de validade, assim como suas palavras e gestos...
Pessoas que precisam se encontrar, antes de se perderem em suas próprias vidas
Ou na de ...
Pessoas que acreditam no amor, mas não são honradas por isso.
Ingênuas e que genuinamente se entregam e dizem: "Tá aqui, ó! Eu sou sua e faça de mim o que quiser..."
Pessoas estas que daqui a algum tempo se transformarão em insensíveis, desacreditadas e desconfiadas...

E quando olharem para trás e virem o que estou vendo hoje, a mesma situação, o mesmo dolo, da mesma forma, ficará com uma vontade tão grande de alertá-los! Mas não adianta, não se mexa! Não faça nada, fique quieta, entenda que eles sempre acham que com eles será diferente! Porque eles precisam viver isso, precisam crescer, precisam lutar, precisam cessar...E recomeçarem!

Então boa sorte! Isso passa e daqui a algum tempo você vai ver que o problema nunca foi você, acredite!



Palavras ao vento...

novembro 14, 2011

Amigo: Ser ou não Ser: Eis a questão!


Amigo, amizade...Conta-se nos dedos(de uma mão) o que se pode ser considerado amizade. Esta semana fui invadida por essas questões e resolvi escrever um pouquinho sobre isso. O que significa verdadeiramente ser amigo? Não vou dizer se tenho ou se sou, mas apenas você reflita e pense se você é ou não...E se tem algum...(s)

AMIGO- Sabe tudo de você, entra na sua casa, na sua vida, te dá atenção, te ouve, briga quando necessário, suporta sua felicidade (pq quem não é só sabe invejar),compra seu barulho, chora com você, intercede por você, tem paciência, se alegra com você, pensa nos seus problemas, tenta buscar soluções, respeita seu espaço, suas limitações, respeita seu modo de pensar e o que você não gosta, não cobiça as suas coisas, ao contrário, se alegra em saber que você as possui...Compadece-se dos seus sentimentos e sabe exatamente perceber quando você só quer e precisa ser ouvido e compreendido. Amigo não tem dolo, não te constrange...Amigo mesmo não te põe em situações embaraçosas, não te ofende, não te tenta...Amigo não diz que você não é mais amigo porque você não conseguiu ajudá-lo ( porque se sentiu incapaz ou porque simplesmente deixou você tomar decisões sozinho) ele apenas te dá um tempo e prossegue... Porque cada um tem o seu tempo e suas limitações e talvez você seja o que ele não consegue ser na totalidade...

E você? Tem sido um bom ou boa amiga? Você preza e zela por alguém desta forma acima citada?

Existem amigos e amigos, mas acho que na verdade deveria existir um meio termo entre colega e amigo, porque às vezes confundimos tempo com amizade. Você conhece alguém há muito tempo e acha que é seu amigo, mas na verdade esta pessoa, independente de distância ou até mesmo o próprio tempo, tem cultivado a amizade? Você pensa em pessoa tal e conclui: Eu tenho certeza que fulano vai me ouvir, vai me entender, vai me ajudar, vai me dar bons conselhos, vai lutar pela minha causa, vai me salvar dessa encrenca? Se as respostas forem sim, ele deve ser realmente seu amigo...

Talvez existam amigos e amigos porque a amizade depende de amor e de perdão. E se você tem humildade de reconhecer seus erros e pedir desculpas, independente de qualquer circunstância...Então você realmente é amigo. Porque a amizade verdadeira necessita de reparação. Você não consegue ficar bem caso perceba que errou e precisa se retratar. Errar é humano, mas difícil mesmo é domar seu próprio ego que pulsa e grita dentro de você. E te acusa e te diz: "Vai pedir desculpas? Mas ele fez isso, aquilo e aquilo outro com você. Se eu fosse você eu dava o desprezo..."

Ceder às investidas do orgulho, ego, vaidade não são características de quem se acha amigo ou de quem pensa que é...

Não sei se sou uma boa amiga...Mas sei que tenho amigos...

Deus, minha mãe, estes eu tenho certeza! E que sou dos meus filhos...De resto não sei mais nada...Nem mesmo se sou de mim, posto que muitas vezes não prezo nem pelo meu próprio amor, que dirá pela vida dos outros...Só sei que penso, que tento e que suponho tê-los...

novembro 13, 2011

Amo anjos...

Porque transparecem uma tristeza poética que só é equiparada aos caos de um coração apaixonado...









***

E muitos os desenham em feminino, talvez porque remetam à pureza...E sensualidade.

Mas anjos femininos só existem aqui, na nossa imaginação...

Como se nós, mulheres, pudéssemos voar o mais alto possível! Em nossos sonhos e anseios...

E em meio às nuvens perceber o quanto desejamos, apesar de sermos anjos, estarmos protegidas.



***




***


Porque eu me sinto assim às vezes...Um anjo frágil...

E necessito de Miguel, meu arcanjo de guarda e combatente










***


E porque anjo está na arte, na dança,no sonho, na vida, na poesia...

Anjo é barroco, é lúdico...É fúlgido, é caído, é louco..


.



Eu amo sim, os anjos...



novembro 06, 2011

Você entende o que eu sinto?



Que muitas vezes somos invadidos por uma carência latente de sermos compreendidos e termos realizadas e saciadas as nossas vontades...

Que por várias vezes você se depara pensando no quanto sua vida poderia ter sido diferente se você tivesse feito isso ou aquilo de outra forma e que talvez se não fosse deste jeito, você também não tem tanta certeza se estaria feliz e diferente de hoje...

Que pior que ter decepções talvez seja o fato de você perder as esperanças e a expectativa em reencontrar o que você perdeu, seja alegria, amor, crédito pelas pessoas ou sentimentos...

Que na verdade existe uma época em nossas vidas que você tem muita certeza de algumas coisas e ponto. Mas que em compensação tem situações em que você é apenas uma criança frágil e pequena, incapaz de balbuciar pequenas palavras em relação ao que você quer ou sente...

E de repente você anseia muito que todos esses questionamentos e insegurança sejam um período de transição, fase de amadurecimento ou coisa parecida.

E sem depender do que outros possam pensar ou opinar...É apenas você,frente a frente consigo mesmo, delimitando seus próprios conceitos, explorando seus máximos, quebrando paradigmas que criaram pra você, expurgando os sentimentos mais profundos da sua alma...

Não adianta correr! Chega uma hora que você precisa duelar com seus monstros, seus medos, suas loucuras, seu ego, sua estupidez...

Espero que isso passe logo...

outubro 31, 2011

Poesia de Estação- Meu novo livro

É com imenso prazer e orgulho que apresento meu novo trabalho produzido, editado e claro, escrito por mim. Quero agradecer muito ao Fábio Aiolfi, amigo, prefaciador e o culpado de tudo. Ele quem me apresentou o Clube de Autores. Estou apaixonada por esse projeto, assim como a iniciativa do site em estar promovendo e incentivando milhares de novos escritores. Só tem um detalhe: Você tem que fazer TUDO...Diagramar, revisar, editar e fazer a arte gráfica, se não quiser gastar uma grana, porque eles também dão um suporte para quem precisa de ajuda.

Quero também aqui agradecer aos meus nobres colegas: Maycon Cis, o Cisnegro, Francis França, Reinaldo Ribeiro, Jerônimo Madureira e Ricardo Vichinsky por terem participado em duetos comigo.(O que já é de praxe em meus trabalhos). Bjos, bjos, bjos! Quem quiser adquirir é só entrar no site e clicar: http://clubedeautores.com.br/book/116261--Poesia_de_Estacao

*Lembrando que tem a versão e-book (mais barata) e algumas páginas para degustação, mas estou pensando em abrir mais!

outubro 28, 2011

Linha tênue

"Linha tênue

entre a excitação do escondido

e a dor do secreto,

entre a certeza do encontro

e a dúvida da partida,

entre o bem querer dos amantes

e o egoísmo dos mesmos, entre a volúpia do desejo

e a negligência da razão.."

"Linha tênue...

entre a liberdade que existe

e o elo que me aprisiona a ti

entre o meu dizer sim

e o talvez que insiste

entre a tristeza da solidão

e o toque das suas mãos..."

...entre mim

e você...

Descrever-me


DESCREVER-ME



É como buscar inspiração
Não depende de mim,
É como verso solto
Que flui e chega...
Como um poema sobre rosas
Quem sabe amor ou torpor
É falar de criança,
De insegurança,
De olhar surpreso
Naturalmente feliz
É buscar um dial
Em meu próprio ser
É ser Narcisa ao avesso
Que diz muito em seu olhar
E te deixa surpreso
E como a juventude que passa
Assim serei eu, passarei...
E serei amiga da liberdade
Seja ela poética ou da realidade
Sustentar-me –ei em
Superação e delimitação,
Serei feliz até não poder mais
Amarei, sofrerei, realizarei
O que ninguém poderá por mim
Porque sou ser, sou lindo
Sou sumo...
Sou único!

outubro 25, 2011

Meu

Meu desejo,
minha eloquência,
minha conquista longânima,
minha decência
Meu livre,
meu são,
meu ocluso,
meu obtuso
Que anda na contramão...
Meu complexo,
meu simples de viver,
meu gostoso
Difícil de esquecer...
Meu inesperado,
meu viciado em querer,
meu bendito,
meu melhor da Terra
Meu indecifrável,
minha "operação de guerra"...
Meu riso,
minha amizade
Meu bem querer inteiro
e não pela metade...
Meu certeiro,
brejeiro
Minha bomba,
minha sombra
meu retrato,
minha pose,
meu close
meu sádico,
esporádico
Meu dramático,
Meu prático,mágico...

(pausa)
...E fatídico amor...


outubro 21, 2011

Seja assim...


Sempre louca, leve e solta
Sensualmente despojada de toda altivez
Elegantemente juvenil, sem perder a consciência
Seja às vezes desordem, incoerência e pouca decência
Seja bela em divagar
Em devaneios que te façam sonhar
E devagar apenas observar
O que a faz do chão se ausentar
Seja fiel a si mesma
Em seus desejos e nuances de lucidez
E que a loucura de ser feliz te alcance
E encontres tua fortaleza, tua base, teu encaixe, liberdade!
Seja por vezes infame, invente paixões
Ou até mesmo ame...
Seja amiga, partidária
Entenda as diferenças, seja necessária
Ou talvez volúvel e hilária...
Impoluta, instável
Faça da sua vida uma grande viagem
E lute pelo que ninguém irá guerrear por você
Seja doce e compreensiva,
Acalme o coração de quem você ama
E serás afagada sempre pelo desejo e bem querer do seu homem
Seja energicamente flexível, seja viga!
E busque o equilíbrio entre ser mãe e boa amiga
Boa filha, boa irmã, boa neta,boa ouvinte,
Boa em falar, tardia em se irar
Seja boa em tentar ser a melhor
Ou mesmo boa em ser alguém melhor
Aprenda a amar a si mesma
E seja grata sempre: A Deus, a quem te ajudou,
A quem te ensinou, a quem te amou
E até mesmo a quem te desprezou!
Pois este te ensinou a amar a si mesma
De uma forma única e densa
Vencedora, intensa...

E imensa...

Então vença!

outubro 11, 2011

De nós...


"Saudade do teu cheiro, teu jeito livre e louco de ser..
Saudade de tudo, da febre, do apego, chamego,
(Saudade de vc, amor!!)
Das pazes, da amizade, do encontro, de tudo um pouco.
Do proibido, escondido, do desejo reprimido e sentido.
Do espaço que entre nós fica, da mensagem, viagem, da brincadeira e da coisa séria também...
Saudade do teu toque de leve em meu braço,
Beijo decente, envolvente, delicado..
Saudade do nada
Que compreende nosso tudo
E em meio ao acaso,
Saudade, saudade, saudade...
Da tua frase bem dita
De quando brinca e do sério me tira
Dos teus desalinhos.
Teu jeito de me amar, beijar, desejar...
E de tudo um pouco! A nossa liga, química
Ou sei lá o quê...
A sacanagem, malandragem, pouca vergonha
Saudade do seu corpo que sente,
E do meu que sonha em ti ficar...
Saudade..."

outubro 06, 2011

Amor puro que tive


Saudade de tempos que jamais voltarão

(Talvez em sonhos, viagens extracorpóreas

Nuvem ou aura delirante, devaneio constante...)

Saudade de amor puro que tive, saudade de paixão...



Sonhar ser amada por alguém, doce sensação...

Já sentiu isso? Literalmente sonhar ...

E destes mesmos sonhos acordar

E com gosto e aroma de amor ficar

Sem poder mensurar

Que delícias são as primícias

De um amor puro, real

E sua irrevogável premissa:

Que seja eternal...



Por que de que vale a vida

Se eu não delirar,

Não ousar sonhar?

Com este amor puro

Que outrora tive

Mas que ainda vive

E não sei ficar...

setembro 18, 2011

SAGA

Talvez eu seja uma simples mulher

Entre pontes erguidas e muros de concreto

Questionadora de amores e egoísmos

Carências e plenitudes...

Talvez eu ainda esteja me aprumando

Buscando um equilíbrio entre minhas palavras

E ações muitas vezes descabidas

E desprovidas de integridade e bom senso...

E quem sabe hoje eu já esteja pronta

Seja para encontrar o que há muito perdi

Ou quem sabe adornar as páginas das redes sociais

E viver num mundo de aparências onde tudo é belo

Perfeito, ilustre e feliz.

Mas sei o que quero...

Apenas minha própria vida e delimitações

Metas e trajetos

Que com esmero os cubro de brilho

Intencionais e precisos

E sendo assim os dias se tornam eficazes

Desafiadores

E íntegros...

Mas como fruto que amadurece e da árvore cai

Alguém o toma ou apodrece em solo fofo

Assim eu em nada e ansiosa espero

Acontecimentos, conforto

Alguém ou algo que me tome

Impulsione-me a re-acreditar...

Pode ser poesia, pode ser solidão

Meu próprio chão

Pode ser eu em mim mesma

Talvez seja Deus e Seu perdão...

E pode ser meu amor

Alguém que exista de fato e saiba

Que o meu melhor argumento é a defesa

E sendo assim se compadeça

E seja corajoso e fiel a si mesmo

E também aos seus sentimentos

Ainda que eu não o seja,

Porque não aprendi a amar...

Muitas coisas ensinei, já me apaixonei

Tantas outras aprendi, me acostumei

A viver em meio à dilemas sobre idílios

Tão freqüentes em poetas

Que discursam e discutem o amor

Mas tão ausentes em mim...

E como é triste esta chaga que invade o peito

Dilacera a alma

Traz sofrimento

Em buscar o que de fato nem eu sei se existe

É como percorrer trilhas e veredas

De um caminho distante, sem alamedas

Sem atalhos, sem descanso

Em meio a deserto de alma que seca

E esturricada deseja por oásis

Mas que só vê miragens...


Insegura



Porque ele me deixa assim...

Insegura

Entre o medo de ganhar e o desespero de perder

Entre a certeza de errar

E a dúvida em querer

Ele me deixa assim,

Sem saber como falar

Tal como me expressar

Ele me deixa assim ao luar...

E ele me faz muitas vezes arrefecer

Da quentura da paixão a nascer

Do desejo controlado em querer

Das palavras a serem ditas e o romper...

De toda a resignação,

Da espera pelo sim

E o epitáfio do não

Porque nele me sinto domada

Acalmada de prazer

Aquecida em chamas, bem amada

E aliviada de todo sofrer

...Pelo menos nesse instante...

setembro 17, 2011

O amor e os anjos



Porque o amor...
Ah! Esse talvez seja como os anjos...
Metafísico, envolto por aura deslumbrante, intocável...
Talvez tenha a beleza dos mesmos
e nos faça voar em meio a devaneios,

Onde por muitas vezes tentamos compreendê-lo ou quem sabe atingi-lo
de forma que ele nos faça sentir segurança e prazer em estar nele...
E com dedicação vai nos mostrando que em tudo ele diverge das paixões momentâneas e desejos caídos.
Agora não...Eis que ele é belo e também sedutor.
É varonil e ousado, compromissado e destemido, singelo e sincero
e não te vê com os olhos e sim com o coração...
Pronto a te sustentar, erguer e também um pouco sofrer.
Quisera eu encontrar um anjo ou quem sabe o amor
e me dispor de toda clausura da minha alma a qual chamo resistência e medo, dúvida e torpor...
Anseio e dor...
E por que não dizer
Que ainda que eu esteja
em meio aos anjos,
Ainda assim estou sem amor?..

Seria porque o amor também é humano
É simples e não precisa de asas
Melhor ainda que seus pés estejam fincados
Por que você saberá se está em amor
Se por acaso você encontrar anjos belos e sedutores,
mas ainda assim prefira ficar
ao lado de quem você gosta e quer para si,
Do jeito que você jamais imaginaria
Pura e simplesmente despojado de todo egoísmo
sem vendas nos olhos e principalmente...
Amando sem restrições
e incondicionalmente..
.

setembro 09, 2011

Na Bienal













Quero expressar minha gratidão, assim como a minha admiração a todos que conheci e que estiveram no stand da In House, na Bienal do RJ, dia 3 de setembro. Parabenizar os organizadores do evento, Aline Romariz e Márcio Martelli, lindas pessoas.
Cada vez mais me impressiona o fato de estarmos vivendo uma ótima fase na nossa cidade e apesar dos percalços e dificuldades que sabemos que existem, fiquei muito feliz em participar de um mega evento como este. Aliás, todo o bairro da Barra da Tijuca, Jacarepaguá, e adjacências têm sido alvos de acontecimentos transformadores e notórios. Tenho certeza que nossa cidade estará prontíssima a receber os jogos da Copa e as Olimpíadas.
Passeando a caminho do Riocentro com amigos, inclusive meu amigo Cacá( que conheci neste dia ), avistamos a Cidade do Rock, a Arena da Barra, onde teve a apresentação de UFC há dias atrás e todo o complexo que está sendo desenvolvido na área de transporte e bem estar não só dos futuros visitantes, mas principalmente, nosso!
Os cariocas agradecem!
Mas hoje eu quero mesmo é prestigiar o que aconteceu por lá! Meus amigos, meu prazer em conhecer Ferreira Goulart pessoalmente e a foto que eu mais amei...Com a minha diva Clarice Lispector...Perfect!

agosto 27, 2011

Desde 2010...


Pessoal me pergunta por que eu parei de postar o "diário virtual". Não parei, apenas "troquei a roupa". Minha vida e meu cotidiano estão nos textos poéticos (ou não) que eu escrevo. Mas hoje em particular quero expor meus pensares assim, crua e verdadeiramente pura, com a melhor essência de mim.
Sabe, o tempo realmente não espera. Ele é cruel e voraz, mas também aliado e acalentador. Nada como o tempo, seja ele em minutos, horas, dias ou anos...Quem sabe algumas décadas. É estranho, mas hoje eu já posso falar de "algumas décadas atrás" e ainda que sejam duas, não deixam de ser algumas..rsrs
Sei que tenho muitos defeitos e qualidades e não quero expor quais são. Na verdade odeio clichês e isso certamente é mais um deles, mas de quase dois anos para cá venho pesando os defeitos e tentando trabalhar em mim mesma e da melhor forma o que posso fazer para melhorar essa terrível sensação de que realmente tenho que mudar pontos estratégicos. Não sei se me faço entender, pois cada um sabe de si, mas penso que às vezes essa busca é tão incessante que acabo esquecendo-me das...(qualidades!) Sim, preocupo-me demais em sanar os defeitos e sendo assim não tenho acreditado nas minhas qualidades: que eu posso e tenho direito à uma nova felicidade, que eu sou uma romântica inveterada, ainda que eu não assuma, que eu sou sincera e perdoadora, que eu sou tolerante e até mais do que meu limítrofe; que eu sou mulher sensível, desejosa e zelosa...
Uma das formas que eu uso para me sentir vazia de mim mesma em minhas questões é essa: escrever. Desde sempre.
Talvez muitos me confundam, me achem insensível, livre, talvez até um pouco indiferente, preocupada só com minha vida, meus afazeres, meus interesses...Mas a verdade é que hoje são poucas as coisas que realmente me tiram do prumo, me fazem retroceder, conseguem domar minha natureza que aprende a viver só e despojada.
Talvez eu ainda acredite no amor, embora eu nunca o tenha sentido. As paixões do passado e até o tal do tempo que vai passando têm um grande defeito: eles insistem em nos roubar a ingenuidade e até a paciência em se viver e regar novos sentimentos, novos relacionamentos. É uma mistura de egoísmo com senso de amor próprio que vai se encaixando e moldando minha mente e meu coração. Certas coisas não me permito mais, outras até absorvo, algumas porém passam indiferentes ou imutáveis por mim, posto que nem tento desvendá-las, pois não fazem parte do meu contexto e jamais farão. Difícil mesmo é me entregar, voltar a acreditar no amor, dominar meu senso crítico, ainda que este não precise de minhas próprias palavras, apenas meu silêncio, que não obstante também é ativado quando gosto e sofro, quando magoo e firo, quando tão somente não quero ou preciso falar. Se eu erro, peço perdão ou desculpas; se sinto-me ofendida ou acuada eu luto por minhas próprias convicções. Sou fera, sou doce, sou bruta, feliz, rude, infantil, sensata e insana...esta sou eu. :)

agosto 23, 2011

Saudade Insana


"Sabatinar teu coração,
pronto a me amar
Ciceronear tua paixão,
de encontro a mim, que urge em desfrutar

E em sofreguidão seguir teus declames
E somente aceitar,
posto que o que me ensinas é me entregar...

E acalentar todo o furor da voz altiva,
que domada por ti
Anseia novamente em conduzir,
mas em vão consegue persuadir
o que de fato o coração
Não consegue resistir..."

Frase insana ll


" E quando a saudade chegar sem avisar,
O que fazer de mim,
se meu corpo se acostumou a ti?
Como fazê-la ir embora, se
ela também sabe ser pontual
e custa a sair do coração?
Essa saudade é muito mal educada, isso sim!"

agosto 21, 2011

Como louca


Como louca que sou

Penso que não seja eu

quem fala,

ainda que em sã consciência

Porque sou mulher

vulnerável, volúvel

Inconstante, má,

pouco saudável, só em mim...

E as minhas verdades,

deixe-as para mim

que as delimito e por vezes julgo,

o que num todo apenas eu sei

o que de fato é fiel...

Sou estranha, sou céu

um pouco de mel

e fel

sou ciclo espontâneo

rota variada

louca desvairada

sou eu assim

em mim mesma

sem eira nem beira

Quem quiser que queira

entender-me

aceitar-me

ser-me ...

E assim

em meio à cataclismas

de mim mesma

E no pouco que me entendo

Só eu sei

o quanto sofro

por querer ser

quem jamais fui...

agosto 17, 2011

Conjecturas




O que seria hoje sofrer por alguém?
Para quem são as lágrimas?
Para o outro em questão
Ou para o nosso ego afligido pelo confronto
das verdades ditas e ouvidas?

Os sorrisos e deleites são para quê?
Para a carne que anseia pelo toque e desfrute
Ou para o coração que urge não só pelo corpo,
mas principalmente pelo aconchego e bem querer
desse mesmo alguém?

E para que servem as palavras?
Para serem deturpadas, posto que mil
significados as mesmas detém?
Para serem mal ditas ou pouco ditas,
como se faz de praxe?
Ou para tocar o coração e adoçar
os ouvidos de quem se gosta e preza?

E porque muitas vezes fazemos tudo ao contrário?
Mas ainda assim não aprendemos
Ou talvez esperamos que todos nos entendam
ou quem sabe aceitem-nos como somos:
Insensatos e egoístas, não tão nobres assim...

E é duro saber que as palavras são
como paralelos e paradoxos.

Juntas percorrem o desenvolver de um raciocínio,
mas nem sempre dão certo;
E separadas nem sempre se atraem
mas quando menos imaginamos,
Elas se completam...


agosto 14, 2011

Ela viu um anjo...




Só se sabe isso...

Que numa noite bonita, as estrelas quase se desprendiam do firmamento e a lua impestuosa invadia seu quarto e a focava, inerte e em êxtase,deitada em sua cama, como se aquela visão e luminosidade fossem um bálsamo aconchegante e envolvente que ela mesma já não conseguia decifrar ou expressar quão lindo presente acabara de receber do seu anjo...

Só se sabe isso...

Que num misto de penumbra e silêncio, a moça se concentrava em seus próprios devaneios e telepaticamente criava pontes de diálogos com ele que minutos depois desceria fluorescente e alvo, deslumbrante e magistral e entoaria a canção mais linda que ela jamais ouvira antes em toda a sua vida...

Só se sabe isso...

Que poucas vezes em sua vida ela perdeu o chão e tangenciou sua trilha e naquele momento em que ela encontrava-se absolutamente desamparada e reclusa, a presença daquele ser foi uma espécie de alento, resplendor e ternura e ela consegue lembrar exatamente o momento em que ela fechou seus olhos, uma lágrima quente percorreu-lhe a face, o choro contido aplacou o seu peito e ela adormeceu...


" Então ele deixou a harpa e o violino
Seu semblante não era de menino
As asas eram plumas, seu brilho ofuscava
As mãos robustas, sua aura embriagava
Ser majestoso,com o rosto velado
Sua silhueta viril, posto que era másculo...

Soprou-me a face, senti-me presa
Falou-me sem pressa, paz inebriante
Perfume amadeirado, sorriso brilhante
Cabelos longos, negros ao vento
Uma espécie de zelo, magia e tormento...

Agora conseguia vê-lo
Mas não alcançá-lo
Também não conseguia detê-lo
O som nobre era entoado
Uma música suave,
que eu tentava descobrir
E que me fazia dormir
e ao mesmo tempo sentir...

Uma sinfonia envolvente, ausente
De toda malícia e concuspiscência
Presente...
Em meu sonho, psiqué
Talvez subconsciente
Muito eloquente...

Que dispensava explicação
Mas em minha obstinação
De descobrir quem era o anjo
Foi então...!
Que acordei do sono velado
Por anjo e por ele guardado
Senti-me vazia, quarto gelado

A lua já não incandescia
E meu anjo não mais cantava
Tal música jamais ouvira
E em meu peito ainda guardava
A doce sensação,
o fulgor da visão
E o resquício do som
que busquei em vão..."


julho 28, 2011

Por onde andas?


Onde anda a saudade?
No oceano da minha alma
Onde meus pensamentos são como
Algas ou peixes
Que se movem em busca de alimentos e vida
Perpetuam-se como a salinidade das águas que agora são a mim
Como o sangue que corre em minhas veias e artérias

Onde anda a resignação?
Em não saber por onde tu andas
Em meio à dúvidas que açoitam meu consciente
Minha lembrança que não se resvala de ti
Suas palavras e voz que não desistem de mim
Apenas ecoam em meu coração
E persistem em lembrar-te devido à tua ausência...

Onde anda a amizade?
Densa e cega e como luz brilhante que ofusca meu acordar
E apesar dos dias lindos de sol e amenos do frio
Estes continuam gélidos e cinzas por não poder te encontrar
E fazem da minha tristeza a matéria prima voraz das minhas letras e frases
Não ditas ou inexprimíveis ao meu sentir

Como um farfalhar que inquieta minha alma
E cimenta minhas esperanças em ver-te ou ler-te novamente...
E o que dizer das certezas?
Estas não tão sólidas como a rocha
Não tão vaporizadas como água em ebulição
Apenas líquidas em esperar-te para dizeres que ainda vives...



(Dedicado À Ricardo Vichinsky, que não aparece...)

julho 25, 2011

A moça do sinal




A moça do sinal
Tão linda, angelical
Fenomenal
Com malabares, bicicleta
Indignada, agora inquieta
Com a chuva, um temporal
Enquanto para nós,
Presos no sinal
Mais uma chuva banal...

E seus traços certos
Roupa de circo
Sua pele alva, boca pequena
Resignada, olhar altivo
Foi-se embora, saiu de cena

E eu ali, que estava em dilema
À procura de um tema
Sem mais problema!
E ela, cansada da vida insossa
Mal sabia a moça,
Que ía virar poema...

julho 23, 2011

Inventora das paixões



És mesmo a inventora das paixões!

Teu corpo exala sentimentos de amor.

Tuas palavras envolvem as almas inocentes.

Sinto um incômodo ciúme!

Tem de mim meu coração frágil.

Amo-te assim sem pensar, meio sem saber.

Pareces-me reprimida ainda,

Percebo vestígios de correntes em teus braços.

Um pequeno ponto de ferrugem se prende à tua pele.

Em teus olhos ainda há rastros de lágrimas.

Por isso inventas? Recrias teu mundo?

Não precisas mais!

Porque tudo agora será natural, próprio da tua humanidade.

Os teus traumas não existirão mais, nenhum deles.

Zaratustra pode celebrar em paz a vida plena.

E sem as amarras do medo deve começar trilhar o seu próprio caminho.

Já viveste muito do caminho enfadonho do outro.

Quero muito ver o brilho dos teus olhos em teu novo céu.

O céu verdadeiro, genuíno, sem ilusões.

Apague o pensamento sombrio do passado

Não ressuscite nenhuma existência trágica. Por que faria isto?

Não te esqueças dos teus sentimentos, não são apenas teus.

São de todos os mortais.

Por um momento podes sentir frio ou calor.

Em outro instante encorajar-se totalmente e esvaziar-se do temor.

Lembra-te: é a inventora das paixões, é um elemento da natureza.

Surgiste humana com o único objetivo de ser livre por inteira.


*Homengem do meu colega Deddy Antônio, do RL, a mim

Amei, muito obrigada! Muito bom saber que me faço entender. Bjos!


julho 20, 2011



Tudo vem do âmago e eu creio que até para fazer amizades você precisa estar inspirado...A ouvir e a se importar com o outro em questão. E sei que ouvir é difícil, quando na verdade você está querendo gritar!

*Há amores que trazem uma saudade, um bem querer tão grande, que chegamos a duvidar se ainda amamos ou se ele é autoimune ao esquecimento.

*Porque será que eu era tão corajosa e atirada e agora tenho andado tão frágil e medrosa? Acho que é porque é muito ruim sentir que gostamos de alguém e esta pessoa sai das nossas vidas, mesmo sabendo que na verdade nunca sequer estiveram à porta.

*Um mundo só nosso seria bom por alguns momentos, mas logo cairíamos em tédio profundo e carências latentes. Talvez a solidão seja algo realmente bom se soubermos recriá-la.

*Ao olharmos para o céu, principalmente à noite, algo diferente acontece. Os sensíveis talvez consigam visualizar muito além das estrelas.É muito bom quando não deixamos que nada interfira na nossa capacidade de enxergar...

*Acho muito bonito quem escreve infantis ou poesias bucólicas e confesso que até prefiro não ler muito sobre tais, pois vai me dando uma angústia em pensar que sou egoísta até na hora de escrever, pois só escrevo sobre mim, o que sinto, quem amo ou por quem gostaria de ser amada. Não é o cúmulo do egoísmo?

*Porque para escrever infantis você, ainda que tenha 100 anos, deve se despir de toda a sua suposta maturidade, esvaziar-se de si mesmo e entrar no mundo literal da fantasia e da ingenuidade...

*O amor é como planta que nasce e precisa ser cultivada, regada e colhida..E seus frutos são excelentes! Mas cuidado com os agrotóxicos!

*A beleza do outro em questão se torna tão normal que nos surpreendemos ao pensarmos no qto a pessoa se tornou "estável" e sem atrativos...Mas se você ainda assim consegue , quer conviver e compartilhar com essa mesma pessoa a sua própria vida, parabéns! Você ama e é um vencedor!Não sei, mas parece que no início, o fato de ir desvelando a pessoa, conquistando e conhecendo é muito mais instigante.

*Acho que o termômetro do amor par a mulher se chama telefone. Quanto mais ele liga, mais ela se sente amada...rsrs