Pesquisar neste blog

No mundo

novembro 22, 2011

...Eu sabia...

Hoje acordei cedo e acabei lendo algo que me deixou comovida...Não pela beleza das palavras ou pela dor que ela representava, mas talvez por ter agora a certeza que eu decifrei o enigma. Enigma de um suposto amor, enigma do dom que algumas pessoas tem de entrarem em nossas vidas de uma forma singela,humorada e até bem intencionada, mas que quando saem deixam um enorme vazio, um rombo, eu diria! E marcas que custam a cicatrizar por completo...

E você vai analisando toda uma nova situação que esta pessoa criou para si e outrem, mas você tem certeza: "Eu já vivi isso, comigo também foi assim, os mesmos passos, as mesmas poses, os mesmos risos, as mesmas situações, os mesmos fracassos..."Que chegam devagarzinho...E lentamente vão se apossando da sua rotina que até então estava tão perfeita!...

Entenda! O problema não é seu! As pessoas que se dizem autossuficientes no fundo são as mais carentes e custam a entender e a aprenderem que a suficiência vem de Deus...E mais ninguém!

Esqueça! Você vai aprender que tem certos e supostos amores que na verdade são egoísmos e só servem para satisfazerem as necessidades de quem na verdade você pensa que te ama...E posso até afirmar que ele tenta! Mas não consegue, por que ele ama tanto a si mesmo que o carinho, amizade, atenção e amor que ele te oferece E proporciona no início vai tomando uma outra forma inversamente proporcional. E você fica tentando entender, chora, se cala, dói o peito, faz de tudo para não irritá-lo. E você desenvolve uma dependência tão forte e "grosseira" que no fim você sucumbe, porque seu ego e sua própria personalidade se revoltam contra isso. E aí você grita! Com todas as suas forças!

Vomita, chuta o pau da barraca, sofre, cala, dá um tempo, tranca-se, alívio, dor, mas paz...Saudade, mas paz...Lágrimas, mas paz...Vento forte, mas paz...

...Pessoas com prazo de validade, assim como suas palavras e gestos...
Pessoas que precisam se encontrar, antes de se perderem em suas próprias vidas
Ou na de ...
Pessoas que acreditam no amor, mas não são honradas por isso.
Ingênuas e que genuinamente se entregam e dizem: "Tá aqui, ó! Eu sou sua e faça de mim o que quiser..."
Pessoas estas que daqui a algum tempo se transformarão em insensíveis, desacreditadas e desconfiadas...

E quando olharem para trás e virem o que estou vendo hoje, a mesma situação, o mesmo dolo, da mesma forma, ficará com uma vontade tão grande de alertá-los! Mas não adianta, não se mexa! Não faça nada, fique quieta, entenda que eles sempre acham que com eles será diferente! Porque eles precisam viver isso, precisam crescer, precisam lutar, precisam cessar...E recomeçarem!

Então boa sorte! Isso passa e daqui a algum tempo você vai ver que o problema nunca foi você, acredite!



Palavras ao vento...

Nenhum comentário:

Postar um comentário